sábado, 2 de janeiro de 2010

Filme: “Um amor verdadeiro” (One true thing)/As lições que o cinema nos dá – vol I




(atenção: ‘spoiler’, texto com revelações sobre o enredo do filme acima)

Eu estava (estou) com um post praticamente pronto, sobre as aspirações femininas, versus obrigações domésticas, e pensava mesmo em terminá-lo hoje, já que este blog está parado há mais de um mês (cruzes!), quando vi, na noite passada (no momento em que me deitei), um pedacinho do filme ‘Um amor verdadeiro’ (One True Thing), que estava sendo exibido na TV. Já era mais de meia noite e eu tinha de acordar bem cedo, portanto, tive de deixar o filme prá lá. Mas fiz isso com pesar; e só consegui desligar a TV depois de assistir a uma boa meia hora da película. Porém, a minha opção pelo assunto a ser abordado no post de hoje se transferiu, automaticamente, para o filme.
‘Um amor verdadeiro’ (por que traduziram o título assim, é um mistério para mim!) não é bem um filme novo (foi lançado em 1998), e eu já o tinha visto antes. Mas o considero tão bom, que não posso deixar de voltar a o assistir, se as suas imagens me são apresentadas.
O que esse filme tem de mais extraordinário, em minha opinião, é a capacidade de tratar de assuntos sérios e profundos, de forma aparentemente despretensiosa. Ele é estrelado por Meryl Streep que, soberbamente, contracena com William Hurt (em ótima atuação) e uma jovem Renée Zewellger (que apesar das críticas, também desempenhou muito bem o seu papel).
Eu poderia dizer – como muitos já o fizeram – que o filme conta a estória de uma moça que, forçada a abandonar a própria carreira para cuidar da mãe doente, vê mudarem os seus pontos de vista sobre a família (e sobre a vida!).
Todavia, apesar de ser exatamente assim, o filme mostra mesmo é como o processo de crescimento de um ser humano pode ser complexo e doloroso. Ou como a vida é - quase sempre - uma trajetória difícil. Ellen Gulden, a personagem de Zellweger, é uma jornalista, em início de carreira, que ambiciona fazer logo uma reputação entre os seus pares. Ela se vê como uma pessoa muito superior à própria mãe, que ela julga limitada. Ellen acha que é com o pai que tem afinidades, por ele ser um homem voltado para as coisas do intelecto: professor de literatura e escritor (embora de pouca expressão); e também alguém que ela acha mais sábio do que a mãe.
Para Ellen, Kate Gulden, sua mãe, é quase uma caricatura, com a sua' fútil’ determinação em ser a perfeita dona de casa (enquanto dá pueris festas à fantasia, e, juntamente com as amigas - que Ellen também considera folclóricas - faz minuciosos trabalhos manuais, principalmente ornamentos para as árvores de Natal). E aí, como sói acontecer sempre (pois “a mudança é a lei da vida”, conforme nos atestam os aforismos do Orkut), o mundo de Ellen sofre uma brusca transformação; ou, como costuma dizer o povo, “é posto de cabeça para baixo”. E tudo por conta da doença que acomete a mãe.
Sim, porque, quando Kate Gulden é diagnosticada como portadora de um câncer (que acaba por matá-la), George Gulden, o charmoso e inteligente pai de Ellen, determina que a filha se afaste do seu mundo (emprego, namorado e até do próprio apartamento, pois ela mora em outra cidade), para cuidar da mãe.
E é aí que os fatos reais da vida começam a se mostrar para Ellen. Ela vê então, depois de haver se submetido por alguns dias ao estafante trabalho doméstico, o quanto a mãe é – na verdade - abnegada e amorosa. E o quanto o pai é uma pessoa diferente do que ela supunha: um tanto egoísta e ... sim, fútil. A mãe se lhe aparenta tão incrivelmente capaz de sacrifícios, que ela lhe pergunta:
“Como é que você suporta tudo isso, dia após dia?”. E a mãe serenamente responde: “Mas esse trabalho é necessário a vocês, minha família, pessoas que me foram dadas para amar nesse mundo!”. E o pai, de quem são gradativamente mostradas as fraquezas e os enganos, não é tido, por isso, em menor conta pela mãe (que parece sempre ter sabido delas), mas passa a ser depreciado (e até hostilizado) pela filha!!. Também quanto ao namorado a percepção de Ellen se amplia, fato que não pode deixar de ter consequências.
Enfim, este é um desses filmes comoventes, feito para ensinar e fazer refletir. É também - sem dúvida - uma tentativa de definir o amor verdadeiro. Huuumm, pensando bem, a tradução do nome para o português é bem pertinente!

16 comentários:

  1. Olá Marly , tbm já assisti esse filme umas duas ou três vezes , a Meryl Streep é sem comparação não é mesmo? um outro filme que eu gosto muito e trata praticamente do mesmo assunto que é se doar é Lado a Lado com a tbm imcomparável Susan Sarandon , que toda vez que assisto choro que nem bebê kkkk.
    Querida um ano maravilhoso pra vc e sua familia e um fim de semana lindo.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Marly. Gosto muito dessas indicações de filme e sempre que encontro uma pela blogosfera, fico curiosa para ver o filme.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Marly, um 2010 cheio de luz pra ti amiga! Nunca vi ess filme, alíás, nem ando tendo muito tempo pra essa diversão. Voltei pra ficar agora. Um beijão

    ResponderExcluir
  4. Fiquei com muita vontade de ver esse filme, por causa da temática e da Meryl, que é ótima.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Olá Marly!
    Passe para conhecer o seu blog, retribuindo sua visita. Gostei e já estou seguindo.
    Recentemente assisti dois filmes com Meryl Streep - Mama Mia e Julie&Julia. Amei os dois!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. acho que estou precisnado de um filme pra relaxar... boa dica!!! vim retribuir sua visita. um bj doce!

    ResponderExcluir
  7. Marli querida,
    Vim agradecer sua visita ao Vó Mindoca!! Adorei te-la por lá! Fiquei mais feliz ainda por poder matar uma pouquinho sua curiosidade em relação a Veneza, que ´realmente um sonho!! Não perca tempo, vá até lá, é com uma viagem a um mundo de fantasia!!
    Muitos beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Marly, obrigada pela visita e pela torcida!!
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  9. Oi Marly,seja muito benvinda!!!!!!! agora tb sou sua seguidora...kkkk Eu sou a Cris, mãe da Pri, q adora cozinhar( blog dela http://nacozinhatem.blogspot.com),será um prazer tÊ-LA COMO AMIGA. uMA ÓTIMA SEMANA P VC. uM ABRAÇO.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, amiga!!!
    Pssei para lhe desejar uma ótima semana e para lhe agradecer o comentário amigo, lá no blog!
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  11. Eu ja assisti este filme umas 4 vezes, acho, se cair na minha mão de novo, assito, ele faz a gente pensar mesmo....

    Bj Priscila

    ResponderExcluir
  12. Belo texto e boa dica!!!
    Boa semana.
    Beijinhos
    Dani

    ResponderExcluir
  13. boa dica, gosto muito da Renné

    bjs

    ResponderExcluir
  14. Marly, então aqui estou eu...mais "uma gata pingada"...rssss...nesse blog que ficou parado no dia 02 de janeiro, mas que eu acho que devia crescer e prosperar!

    Pela sinopse do filme, já vi que é um drama - verdade, que faz pensar e que por muitas vezes pode trazer um certo incômodo...parecido com a vida real....hummmmm...tem gente que não gosta...mas eu achei ótimo, e nao me lembro de tê-lo visto, vou procurar!

    ResponderExcluir
  15. Bom diaaaa!!!!!!
    Passando pra lhe desejar um Feliz Ano Novo...com muita saúde,paz,sabedoria e grandes conquistas com as bençãos Divina.
    Abraço,obrigada pela atenção e simpatia neste ano que termina.


    "O que reforça a intimidade é ter o que compartilhar, não o que esconder."
    Martha Medeiros

    ResponderExcluir
  16. Ana Flavia 100%MERYL STREEP28 de outubro de 2011 18:13

    O bom me chamo iii Marly. É a primeira vez que entro nessa página da internet. Simplesmente adorei. Vou fazer de tudo para acha-lo quero muito assisti-lo. Vou conseguir você vai ver. Me desculpa se não entrei antes aqui.
    Bom me chamo Ana Flavia sou muito fã da Meryl Streep, tenho 13 anos. Bjs
    A atuação de Meryl Streep neste filme deve estar ótima né.

    ResponderExcluir